A Beleza dos Ciganos

A beleza dos ciganos

Em geral são belos. Morenos, dolicocéfalos, olhos grandes e vivos, rosto ossudo, fronte estreita, nariz adunco, dentadura magnífica, andar vivo e irregular. Naturalmente elegantes, têm porte e majestade. Gesticulam em demasia. Ardentes e alegres, atingem grande longevidade. As mulheres são bonitas e graciosas, embora envelheçam precocemente devido à excessiva exposição ao sol, pela vida nômade. Mas usam enfeites, talco, pôs de atração, mil saias e sabem fazer bem o amor.
Quem são os boêmios? Os filhos do vento
Ciganos, zíngaros, gypsies, boêmios e muitos outros nomes designam o mesmo povo nômade que saiu da índia e se dispersou pelo mundo. Caldeireiros, latoeiros, ourives, negociantes de cavalos, eles mantêm o espírito comunitário mesmo quando se tomam sedentários e deixam de falar a sua língua, o romani Alguns abandonaram o nomadismo, outros se fixaram em um lugar. Para muitos ciganos, a base física é um amontoado de barracas nos arredores de uma grande cidade ou de uma casinhola precária em um terreno baldio.
Saias coloridas e lenços
Não há um traje cigano, mas uma maneira cigana de trajar. Apreciam as corres berrantes, os tecidos brilhantes, os brocados. As crianças andam nuas muitas vezes. As mulheres vestem-se de cores vivas, com grandes saias rodadas superpostas e lenços à cabeça. Usam os cabelos soltos ou em tranças, enfeitados de fitas ou moedinhas, e exibem grande variedade de jóias e fantasias, sobretudo brincos e pulseiras de argolas. Muitas vezes a pobreza é total nos acampamentos e eles vestem-se de trapos.
No caldeirão da carroça
São em geral carnívoros, gostam de doces, frutas e são peritos na fabricação de pão. Não se dedicam à agricultura, nem habitualmente à caça ou à pesca, mas têm verdadeira predileção pelo ouriço-cacheiro (niglô), cujo rastro seguem por toda parte e que cozinham de diversas maneiras. Preferem a cerveja ao vinho e amam as aguardentes fortes. Homens e mulheres são dados ao fumo. Sua bebida é o sifrit.
O trabalho tem para o cigano um valor meramente utilitário, e não um valor moral como para o gadjo. As ocupações a que em geral se dedicam harmonizam-se com seu modo de vida itinerante: artesanato do cobre e da palha, caldeireiros e ferreiros. Por vezes são
criadores e vendedores de cavalos, amestradores de ursos e macaquinhos saltimbancos. As mulheres ciganas lançam sortes e lêem a sina com tarôs.
Lendas e mitos
Para evitar ser objeto de perseguições, à medida que atravessam os diferentes países adaptam-se aos seus usos, batizando os filhos entre cristãos e circuncidando-os. Eles acreditam em forças que representam o mal, que luta com o bem, representado por um deus bondoso (Del ou Devel), a quem são dirigidas preces e agradecimentos, mas também vitupérios. O diabo (Beng) é malicioso e procura enganar os ciganos. A sorte e o destino são noções importantes para o cigano. Possuem um calendário próprio.

 

Vídeo contendo Orações dos Orixás.

Santa Sara Kali

 

                                        SANTA SARA KALI

Santa Sara kali ou Sainte Marie de la Mer foi parteira de Maria e por isso Jesus a teria em alta estima.
Conta à lenda que Maria Madalena, Maria Jacobé, Maria Salomé e Jose de Arimatéia, Trofino, junto com Sara foram atirados ao mar por judeus em um barco sem remos nem provisões.

Sara teria pedido a Jesus que os salvasse, prometendo a ele que se os salvassem, passaria o resto de seus dias com a cabeça coberta por um lenço (diklô).
Milagrosamente foram salvos chegando a Saintes Marie onde dizem terem sido ajudados por um grupo de ciganos, razão pela qual se pode explicar porque os ciganos a elegeram como sua protetora, já que não se sabe ao certo o porquê.

A história de Santa Sara está ligada ao culto às Virgens Negras (Kali em em sânscrito significa negra). Sara era de origem egípcia, provavelmente vivia como escrava de Maria. Sua imagem se encontra na igreja de Saint Michel, na cidade de Saint Marie de la Mér, na foz do rio Ródano, região da Provença, sul da França.

Santa Sara é a protetora da Maternidade, auxiliando mulheres com dificuldade de engravidar. Os dias 24 e 25 de maio são dedicados a sua festa por ciganos em todo o mundo, onde sua imagem é levada ao mar e lavada, abençoando o mar, a terra e os ciganos.



                                           Os Ciganos



Acredita-se que os ciganos tenham se originado do continente indiano, espalhando-se pela Europa principalmente na Hungria, Romênia, Bulgária, Turquia e Áustria. A língua dos ciganos é o romanês, idioma muito próximo às línguas indo-arianas. O povo Rom (ciganos) é nômade. Eles não criam apego aos lugares, criando sua própria cultura e passando de geração para geração por meio da linguagem. 

É um povo fechado e com muitas tradições como o casamento cigano.
Esse casamento preferencialmente deve ser fito com alguma pessoa do próprio clã embora seja permitido um cigano casar-se com uma gadji (mulher não cigana). Cabe a mulher não cigana familiarizar-se com as tradições (na tradição cigana os noivos costumam cortar os pulsos com punhais, selando a união com sangue).

É comum o dote, ou seja, a doação de jóias e dinheiro por parte dos pais, para que o casal tenha condições de começar a vida. A festa costuma durar dias, donde a comida, bebida, música e dança são obrigatórias. 
Após a cerimônia acontece a núpcias do casal onde a virgindade da noiva é confirmada ao grupo estendendo o lençol manchado do sangue.
O homem tem grande importância dentro do grupo cabendo a ele garantir o sustento da família (normalmente são comerciantes, amestrador de animais, ferreiros). 

Cabe a mulher garantir a procriação da família. Durante a gravidez a mulher tem um trato especial no qual o clã evita qualquer aborrecimento durante esse período. O nascimento dos filhos é outro momento de destaque na vida dos ciganos. A criança é recebida com muita festa. O primeiro banho do bebê é um grande ritual onde ela é banhada com as jóias da família, mel, vinho, flores para que a criança tenha uma vida próspera. O primeiro nome da criança é um segredo que somente a mãe sabe, pois este nome é falado junto à orelha da criança. Essa tradição se deve ao fato dos ciganos acreditarem que entidades maléficas chamam as crianças pelo nome e elas atendem. 

Ninguém saber o verdadeiro nome da criança é tido como uma forma de afastar a negatividade. Os ciganos são muito alegres e suas festas costumam durar dias. A presença da música é obrigatória. Geralmente os homens tocam seus violinos e sanfonas e as mulheres acompanham com seus pandeiros e palmas ritmadas. 
A fogueira faz-se presente em quase todos os festejos, pois acreditam que ela traga energias positivas.

O povo cigano é muito ligado à natureza. O sol e a lua são importantes em seus costumes e são marcados pelo contato com a terra e a chuva.
A morte para o cigano é encarada como uma passagem para um mundo melhor, por isso é dada uma festa onde se prepara os alimentos que a pessoa mais gostava.
Os ciganos respeitam muito as pessoas mais velhas por considerarem que os anos lhes trazem conhecimento. Os mais idosos costumam ser conselheiros do grupo. 
Não há uma religião específica, geralmente os ciganos consideram Santa Sarakali como sua protetora.

 

                                               OS CIGANOS NA ESPIRITUALIDADE



Os espíritos ciganos atuam dentro do Umbanda onde possuem um ritual específico e diferenciado das demais entidades. São espíritos de luz, portanto devem ser diferenciados dos exus ciganos e pomba-gira ciganas.


Seus rituais são alegres, festivos, onde são utilizadas flores, frutas, velas coloridas. Possuem o dom da magia e costumam trabalhar com diversos oráculos. Preferem músicas ao som dos atabaques, habituando-se a beber licores, fumar cigarros aromatizados, comerem carne assada, frutas e doces.


As ciganas gostam de roupas coloridas, anéis e pulseiras douradas, pandeiros com fitas coloridas. Os homens geralmente usam botas, calças, camisas e coletes, também com cores chamativas. Não gostam muito da cor preta e a evitam.
 
 
 
                                                      OS ORÁCULOS E OS CIGANOS

 

Os ciganos têm a tradição de ler a sorte. Para isso usam seus dons e os aprendizados que foram passados pela oralidade de geração a geração.

A quiromancia (leitura das linhas das mãos) é habitual das mulheres ciganas, sendo aprendida desde criança. Usam também a cartomancia e podemos ver ciganos utilizando objetos simples do cotidiano que podem ser levados a qualquer local.

 

                                              Outros oráculos utilizados pelos ciganos:

 
  •  Piromancia: leitura da sorte na chama da vela.


  •  Dadomancia: leitura da sorte nos dados.


  •  Acutomancia: previsões por meio de agulhas.


  •  Jogo de sementes: alguns ciganos homens costumam fazer analises por meio de caroços de frutas.


  •  Bola de cristal: utilizada geralmente por mulheres como clarividência. Elas se concentram e conseguem visualizar imagens do presente e futuro na bola de cristal.


  •  Cafeomancia: análise da borra de café.


  •  Jogo das patacas: jogado por homens e mulheres que utilizam as moedas como meio de prever e orientar.


  •  Cristalomancia: adivinhação por pedras preciosas (cristais).


  •  Ceromancia: análise feita por meio de cera quente, pingada sobre uma superfície seca ou com água.

Orixás

A palavra Orixá denomina Divindades Africanas

                      A Palavra Orixá denomina Divindades Africanas
 

 

A palavra Orixá denomina divindades africanas e que são conhecidas como aquelas divindades intermediárias entre o poder de Deus e dos seres humanos. Eles foram criados com a finalidade de ajudar o povo da terra em sua caminhada evolutiva. Essa é que é a finalidade essencial dos Orixás e cada um deles representam forças da natureza. O que são essas forças da natureza?
São elementos que possibilitam a existência das pessoas na terra: uma planta, a agricultura, a água, o fogo, a vida, a saúde, a morte, tudo isso representa forças que a natureza oferece aos seres humanos e o africano denominou cada uma dessas forças com uma denominação: Xangô, Iemanjá, Iansã, Oxumarê, Oxum, Ossaim e assim por diante.
Contam as histórias que os Orixás tiveram vidas passadas, isso é verdade? Os estudos sobre os Orixás, não podem fugir da seguinte conotação, nós precisamos estudá-los religiosamente. mitologicamente e politicamente, porque muitas divindades desistiram de viver na terra.
No passado o povo africano, no interior daquelas selvas, sempre existia algum personagem, que se sobressaía com poderes naturais com certas percepções que os tornaram verdadeiros heróis, fundadores de cidades, grandes guerreiros, e essas pessoas, elas mereceram culto por parte daquele povo há 100, 500 anos atrás e era dessa forma que eles exerciam o princípio de culto a esses personagens. Personagens esses que tinham nome, tinham história.
Alguns Orixás viveram na terra, isto nos é revelado através de certos mitos que existem e que contam as histórias dos Orixás; as suas atividades guerreiras, as atividades amorosas e outras tantas, porque existem lendas e mitos e todo mito tem um fundo político, um fundo verdadeiro no mundo histórico e a lenda não é um folclore criado.
O rei de Oió, da terra de Xangô, ele é visto como descendente direto de Xangô. Todos os reis da cidade de Oió são vistos como descendentes direto de Xangô, daí verificamos que existe uma coisa interessante pois na África existe o culto ao Orixá familiar. Muitas pessoas daquelas famílias são feitas para aquele Orixá tutelar da família, então eles são vistos como personagens ligados, identificados com a família.
Esta questão de dizer que Orixá teve vida terrena e foi um egum é muito difícil falar isso, mas muita coisa revela isso exatamente e podemos verificar também que muitas tribos africanas criaram os seus heróis, os seus ancestrais divinizados e por que? Porque existem cidades que Xangô é muito conhecido, mas tem outras cidades que Xangô não é conhecido, ou ele é conhecido por outros nomes, e assim Iemanjá, e assim é Oxum e assim foram com outros Orixás.
 
Hoje com a divulgação literária, a coisa se confundiu um pouco, mas no início era exatamente assim, tinha cidade que não conhecia determinado Orixá. Existem palavras que para traduzir-se é muito difícil, já que se perdeu a sua essência de tradução. Muitos estudiosos acham que a palavra Ori – xá; significa obrigação na cabeça, só que a palavra Orixá, ela tem uma acentuação que não é idêntica para Ori e a palavra Xa não tem a ver com obrigação.
Agora existe um outro estudo que acha que a palavra Orixá vem de Orixê, ou seja, a essência do Ori, ou que seja todos os Orixás produziram aquilo que nós temos na nossa cabeça que é o Ori, então as outras interpretações, são interpretações pessoais, mas fazem realmente ao princípio de encontrar uma coisa verdadeira, então a palavra Orixá é muito difícil de traduzir em toda a sua essência.

Sete Regras para Viver feliz

                SETE REGRAS PARA VIVER FELIZ

 
 
1.         ADQUIRA O HÁBITO DA FELICIDADE. Sorria, intimamente e torne este sentimento parte de você mesmo. Crie um mundo feliz para si. Aguarde cada dia, mesmo quando algumas nuvens obscurecerem o sol, sempre encontra algo de bom.
 
2.        DECLARE GUERRA A SENTIMENTOS NEGATIVOS. Não permita que aborrecimentos irreais o devorem. Se algum pensamento negativo lhe invadir o espírito, combata-o. Pergunte de si para si, porque você, que tem todo direito natural à felicidade, deve passar horas do dia em luta com o temor, o aborrecimento, o ódio. Ganhe a guerra contra esses flagelos insidiosos do Século XX.
 
3.         REFORCE A IMAGEM DE SI PRÓPRIO. Veja-se como foi nos seus melhores momentos e dê a si próprio certa atenção. Imagine os tempos felizes e o orgulho que sentiu de si. Crie experiências futuras agradáveis; dê a si mesmo, crédito pelo que é. Deixe de bater na própria cabeça.
 
4.         APRENDA A RIR. Às vezes, os adultos sorriem ou riem entre os dentes, mas nem todos riem realmente, isto é, risada verdadeira que dê a impressão de alivio e liberdade. O riso, quando genuíno purifica, faz parte do mecanismo do sucesso, lançando-o às vitórias da vida. Se você deixou de rir desde os 10 ou 40 anos, volte à escola do espírito e aprenda novamente o que nunca deveria ter esquecido.
 
5.       DESENTERRE OS TESOUROS ESCONDIDOS. Não permita que as suas aptidões e os seus recursos morram dentro de si; dê-lhes uma oportunidade para se submeterem às provas da vida.
 
6.      AJUDE O PRÓXIMO. Dar aos seus semelhantes poderá ser a experiência mais compensadora da sua vida. Não seja cínico; compreenda que muitas pessoas que parecem desagradáveis ou hostis estão usando fachada que acham capaz de protegê-las contra outros. Se der ao próximo, ficará admirado na reação grata, pelo reconhecimento que terão. Pessoas que parecem duras são, na realidade gentis e vulneráveis. Você sentir-se-á satisfeito quando der sem pensar em proveito para si.
 
7.         PROCURE ATIVIDADES QUE O TORNEM FELIZ. A natação, o tênis, o vôlei ? Pintar, cantar, coser? Não posso dizer-lhe. Você mesmo terá de escolher. Mas a vida é feliz, se fizer o que lhe agrada.
 

Orixás e entidades da Umbanda e do Candomblé.

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Umbanda de Caboclos, Boiadeiros, Pretos Velhos, Marinheiros e todo o seu mistério

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Ciganos, suas origens e seus mistérios.

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Mestre Zé Pilintra

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Rainha Maria Padilha, Exús e Pombo Giras

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Lendas, Mistérios e Curiosidades da Religião Afro

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

%d bloggers like this: