Banhos Encantados

banhos-de-ervas

Os banhos de flores, de ervas e de folhas são encantamentos aparamente simples, porém muito poderosos para o  povo cigano. Trata-se de práticas ritualísticas que os acompanha durante séculos e séculos, e que têm valor energético de surpreendente importância; principalmente quando são acrescidos de essências também naturais. Estes desempenham o papel purificador do corpo e da alma, sempre de acordo com seu intento. O ideal é tomá-los a partir da vibração de um cigano (a) – pois ele (a) “diagnosticará” o que deve ser limpo e cortado na vida de quem o solicita, para assim ter um futuro livre dos males invisíveis.
Qualquer pessoa pode tomar esse banho  para retirar a negatividade e limpar a aura da inveja e más influências, atraindo a positividade e fechando os campos energéticos suscetíveis aos olhares alheios.
Material e Preparação
 21 dentes de cravo
 3 punhados de erva-doce
 3 pauzinhos de canela
Dentro de 1 litro e meio de água, coloque os 21 dentes de cravo sem seu pequeno “caule”, acrescente os 3 punhados de erva-doce e os 3 paus de canela. Deixe-os ferver e mantenha a infusão abafada por algumas horas até que o banho seja devidamente magnetizado após a fervura. Passado o tempo necessário é só tomá-lo. Mas antes, é preciso tomar um banho normal para abrir passagem para o encantamento.
Atenção: os resíduos do banho não devem ser jogados ao lixo, e sim deixados perto de uma árvore ou planta, seja de seu quintal, de seu jardim ou de algum lugar fora de casa arborizado.

Espíritos Obsessores

obsessores1

Será possível?
— Além do célebre motivo de vingança, existem dois tipos de obsessores atraídos por nós, os encarnados?
— Três tipos motivados por amor?
— Um tipo onde os papéis se invertem e os verdadeiros obsessores somos nós mesmos?
— Nem sempre o obsessor quer nos prejudicar?
— Às vezes, ele julga que está nos ajudando?
— Outras vezes, ele pode nos causar um benefício real?
— Em muitos casos, ele não teve nenhum vínculo ou relacionamento anterior conosco?
— Em um caso, ele é um idealista tresloucado? Um verdadeiro terrorista espiritual?
— Em outro, um empreiteiro autônomo?
— E em outro, um “soldado mandado”?
Sim! É isto mesmo! 
— Vamos conferir?

Os 10 Principais Tipos

Tipo 1 – Obsessor Morador 

Tipo 2 – Obsessor Atraído – primeiro caso

Tipo 3 – Obsessor Atraído – segundo caso

Tipo 4 – Obsessor por Amor – primeiro caso

Tipo 5 – Obsessor por Amor – segundo caso

Tipo 6 – Obsessor por Amor – terceiro caso

Tipo 7 – Obsessor Escravo 

Tipo 8 – Obsessor Empreiteiro Autônomo 

Tipo 9 – Obsessor Soldado do Mal

Tipo 10 – Obsessor Vingador

Esses principais tipos de obsessores com esses dez inusitados nomes, é exclusivamente didática, haja vista que pretende facilitar a imediata identificação de cada um deles. Portanto, não existe nem a mais remota intenção de menosprezá-los ou ridicularizá-los, principalmente  porque, no passado quem sabe?  fomos obsessores iguais ou piores que eles…

Além disto, esse é um modo deliberadamente bem humorado de iniciar uma embasada e profunda abordagem de uma problemática humana que pode ser muito grave e mais séria ainda, principalmente porque a sua atuação nociva independe de nossas crenças a este respeito.
Tipo 1 – Obsessor Morador 

Um desencarnado optou por continuar vivendo naquela mesma casa ou naquele local que frequentava assiduamente  e ao qual se apegara profundamente – antes de “morrer”. Deste modo, transformou-se em obsessor dos encarnados que moram ou frequentam aquele lugar. Na maioria das vezes, ele nunca tivera nenhum tipo de relacionamento anterior com os seus obsediados. Ou seja, eles não se conheciam.

Via de regra, é um solitário. Às vezes, está desnorteado ou revoltado. Mas, como todo obsessor, é um ser humano desequilibrado e desajustado, embora não necessariamente mau nem mal intencionado. Seu objetivo é continuar vivendo naquele local ao qual continua irresistivelmente apegado. Em alguns casos, ele simplesmente se diverte, tentando assustar os moradores ou frequentadores daquele lugar. Ou então, nada faz, limitando-se a observá-los. 
Só em casos raros tenta fazer mal aos seus obsediados, porém, normalmente, com a intenção de expulsá-los daquele local do qual se julga o único dono e/ou o único com direito de viver ali. Ele, como todo desencarnado, só poderá ser visto por aqueles encarnados dotados do sentido extrafísico de vidência astral. 

Além disto, ele só poderá causar as chamadas “casas mal assombradas” se pelo menos um dos moradores ou frequentadores daquele lugar for dotado da faculdade extrafísica de produção do ectoplasma etérico, matéria-prima indispensável para ele poder produzir, se for capaz, os chamados “efeitos físicos”.

Tipo 2 –  Obsessor Atraído – primeiro caso

Num determinado dia, um desencarnado – dentre os muitos que perambulam pelo mundo físico  foi irresistivelmente atraído por um encarnado cujo perfil psicológico era idêntico ao seu, ou seja, ambos geram continuamente, em grandes quantidades, os mesmos tipos de potentes energias negativas: raiva, cólera, ira, mau humor, agressividade, ciúmes, invejas, despeitos, depressões, tensões, etc. – e/ou têm os mesmos comportamentos extremamente desequilibrados e/ou desajustados e/ou revoltados e/ou fanáticos e/ou violentos etc.

A partir do fatídico momento daquela “atração fatal” de dois seres humanos tão semelhantes em caráter, índole, temperamento, vícios, hábitos, etc., aquele desencarnado passou a viver, 24 horas por dia, todos os dias, ao lado daquele encarnado igualzinho a ele. Na maioria das vezes, tal qual no caso anterior, ele nem sequer conhecia aquele encarnado.

Normalmente, é semelhante ao caso anterior. Ou seja: Via de regra, é um solitário. Às vezes, está desnorteado ou revoltado. Mas, como todo obsessor, é um ser humano desequilibrado e desajustado, embora não necessariamente mau nem mal intencionado. Seu objetivo básico é usufruir ao máximo daquela prazerosa companhia e/ou daquelas energias que ele tanto gosta e julga precisar muito.

Normalmente, ele não deseja fazer nenhum mal ao seu obsediado. Pelo contrário, muitas vezes ele protege a vida daquele encarnado a sua fonte de prazeres  por exemplo, no caso de alcoólatras.

Tipo 3 – Obsessor Atraído – segundo caso

É semelhante ao caso anterior, com a única diferença do desencarnado não ser atraído por um encarnado, e sim por um local em particular. Em outras palavras, aquilo que irresistivelmente atraiu o desencarnado “errante” foi um determinado ambiente que ele tanto gostou e onde se sente muitíssimo bem.

Normalmente, trata-se de uma residência na qual os seus moradores, ou a maioria deles, vivem de maneira muito desajustada, tumultuada e desequilibrada. 
Ou, então, é um local de diversões, público ou privado, corretamente considerado “barra pesada” porque seus frequentadores, ou a maioria deles, praticam excessos de várias naturezas sob o efeito do consumo desregrado de bebidas alcoólicas e/ou, pior ainda, do uso de drogas alucinógenas. 

Mas pode ser um local de trabalho onde, costumeiramente, são praticadas arbitrariedades, desonestidades, violências, etc. A partir do fatídico momento daquela “atração fatal” do desencarnado por um determinado lugar energeticamente semelhante, ele, literalmente, se mudou para aquele local, onde passou a residir. E, assim, ele se transformou em potencial obsessor – involuntário ou não – de todos os moradores ou frequentadores encarnados daquele ambiente.
Tal qual no caso anterior. A princípio, ele não tem nenhuma intenção de fazer mal a nenhum dos moradores ou frequentadores daquele lugar. Inclusive, dependendo do caso, ele pode proteger as vidas desses ou daqueles encarnados “preferidos” dele, obviamente visando não perder aquelas suas fontes de prazeres; e o seu objetivo básico é usufruir, ao máximo, daquelas prazerosas companhias e/ou daquelas energias que ele tanto gosta e julga precisar muito.
 
Como é mais que evidente, em qualquer caso – sem nenhuma exceção – o obsessor sempre é uma pessoa desajustada e desequilibrada, portanto, o seu campo magnético sempre é desajustado e desequilibrado, ou seja, sempre é negativo e nocivo. Muitas vezes é extremamente negativo e nocivo, com o agravante de poder ser muito, muitíssimo, potente.
Por este simples e claro motivo, em qualquer tipo de Obsessão, mesmo quando o desencarnado (obsessor) não pretende fazer nenhum mal a ninguém, a sua constante presença junto a determinados encarnados (obsediados) implica  na íntima proximidade do seu campo magnético (negativo e nocivo) com os campos magnéticos daqueles encarnados-obsediados. 
Isto, por si só, constitui um contínuo e terrivelmente deletério “bombardeio” de energias negativas e nocivas, às vezes muito potentes, daquele desencarnado (obsessor involuntário) para aqueles encarnados-obsediados.

Tipo 4 – Obsessor por Amor – primeiro caso

Por vontade própria, e sem que nada lhe obrigasse a fazer isto, um desencarnado optou por permanecer 24 horas por dia, todos os dias, ao lado de um encarnado a quem continua amando desesperadoramente. Ele julga que não consegue viver longe daquele seu ente querido encarnado. Anteriormente como é óbvio, ele teve profundos e íntimos laços afetivos, às vezes até fortes ligações sexuais, com seu obsediado.

Normalmente, trata-se de um recém-desencarnado que é ex-cônjuge ou ex-amante ou um familiar muito próximo daquele desencarnado. Tal qual ocorre com outros tipos de obsessores, muitas vezes ele não tem consciência plena da sua recente “morte”. Quando tem, normalmente está profundamente indignado, revoltado e inconformado, principalmente com a compulsória interrupção da sua íntima e constante convivência com aquele seu ente querido encarnado, o que lhe causa uma situação tão aflitiva que ele tenta remediá-la – ou pelo menos atenuá-la – com a sua deliberada permanência próxima àquele encarnado querido.

Como é mais do que evidente, ele não tem a mínima intenção de fazer nenhum tipo de mal àquele encarnado a quem ama desesperadoramente. No entanto, como já vimos, devido ao constante “bombardeio” de suas potentes e desequilibradas energias negativas e nocivas, involuntariamente ele faz mal, muito mal, aquele encarnado querido, repetindo, como inexorável conseqüência da sua contínua proximidade com aquele seu involuntário obsediado.

Tipo 5 – Obsessor por Amor – segundo caso 

É parecido com o caso anterior. A diferença é que ele, antes de se transformar em obsessor involuntário, não vivia junto daquele encarnado a quem tanto ama. E sim, desde a sua “morte” ele vagava pelo mundo físico, como fazem muitos desencarnados desequilibrados e desajustados. Ou, então, em casos mais raros, ele era um desencarnado equilibrado, ou que para tanto se esforçava, que morava em uma das maravilhosas colônias fraternas do plano astral, tipo o “Nosso Lar”, descrito por André Luiz através da psicografia de Chico Xavier.

Num determinado dia ele teve conhecimento de um terrível problema que afligia um seu ente querido encarnado. Imediatamente, de livre e espontânea vontade, ele foi viver junto daquele encarnado amado, com a intenção única e específica de ajudá-lo a resolver aquela situação tão grave e séria.
Neste caso além de involuntariamente produzir aquele “bombardeio” magnético negativo e nocivo ao seu ente querido encarnado, ele tentará intervir, à sua maneira desequilibrada e desajustada, nos problemas existentes, o que certamente implicará em outros prejuízos tanto àquele seu ente querido encarnado como às demais pessoas envolvidas.

Tipo 6 – Obsessor por Amor – terceiro caso 

Neste curioso caso, os papéis tradicionais se invertem! Dessa vez não é o desencarnado quem produz a Obsessão! E sim é o encarnado que não suporta a compulsória  e, às vezes, abrupta  separação da íntima e diária convivência física com o seu ente querido recém-desencarnado!

Em tal desespero, o encarnado, totalmente inconformado e inconsolável, sofre tanto e tão profundamente com a recente “morte” daquele seu ente tão querido, sente tanto a falta dele, chora tanto a perda dele, lamuria-se tanto pela insuportável dor que sente, pensa tanto e tão contínua e fortemente naquele seu amado “falecido” que, finalmente, por força da irresistível atração que exerceu, involuntariamente consegue atrai-lo para junto de si.
O triste resultado dessa “Obsessão Inversa” é que aquele coitado recém desencarnado  compulsoriamente e à sua revelia foi obrigado a viver, 24 horas por dia, todos os dias, junto àquele seu involuntário Obsessor-Encarnado.

Tipo 7 – Obsessor Escravo

Infelizmente, não é raro alguém ficar tão traumatizado, desnorteado, fragilizado, confuso, etc. com a sua recente “morte”, que vive a perambular, semiconsciente como se fosse um “zumbi” , até mesmo no próprio cemitério onde seus restos mortais foram enterrados.
Por mais incrível que pareça existem inescrupulosos e desumanos comerciantes da mediunidade, encarnados, que  obviamente com enorme facilidade  aprisionam e transformam (literalmente) em seus escravos esses indefesos desencarnados.
Esses infelizes desencarnados escravos com medo de sofrerem cruéis e terríveis punições, cegamente cumprem as ordens dos seus senhores encarnados. Deste modo conforme sejam as ordens recebidas, eles atuam junto a encarnados, tanto para lhes fazer bem ou mal. Indistintamente.

Tipo 8 – Obsessor Empreiteiro Autônomo

De um modo geral, infelizmente, não é raro alguém ser tão apegado aos prazeres materiais, mas tão apegado que, após a sua “morte”, permaneça vivendo no mundo físico na ávida procura de oportunidades de obter parciais e restritos gozos daqueles prazeres. Por motivos óbvios, uns vivem nos bordéis e motéis, outros nos bares e antros de viciados, e assim por diante.
Neste caso em particular alguns desses desencarnados tão apegados aos prazeres materiais, deliberadamente e por exclusiva vontade própria, prazerosamente executam empreitadas junto aos encarnados  tanto para o bem quanto para o mal, conforme sejam os acertos  recebendo, como pagamento antecipado, os “despachos” que frequentemente encontramos nas encruzilhadas, contendo comidas, sangues de animais, bebidas, charutos, etc.

Esses dois últimos tipos de obsessores são idênticos no que diz respeito à execução, indistintamente, de benefícios e/ou malefícios aos encarnados. Mas o Obsessor Escravo tem, a seu favor, o grande e forte atenuante de ser “soldado-mandado” sob pena de severos castigos, enquanto o Obsessor-Empreiteiro-Autônomo tem o sério e grave agravante de agir voluntariamente e por conveniência própria.

 
Mas, em qualquer caso, a culpa e o dolo realmente cabem àqueles encarnados que são os autores intelectuais desses lamentáveis tipos de Obsessão. No entanto, muito mais culpa e muito mais dolo cabem àqueles inescrupulosos e desumanos comerciantes da mediunidade, encarnados, que, além de lucrarem com esse tão condenável e ilícito comércio, ainda praticam a mais desumana ainda escravidão dos pobres coitados Obsessores-Escravos!

Tipo 9 – Obsessor Soldado do Mal

São desencarnados que, por motivos diversos, se transformaram em idealistas tresloucados, convictos e fanáticos. Piamente, eles acreditam que o dever sagrado deles é  sem tréguas nem fronteiras combater o bem e todos os obreiros do bem encarnados e desencarnados. Eles são, portanto, verdadeiros terroristas espirituais. 
Na maioria dos casos, eles são extremamente sagazes, astutos, espertos, sutis, inteligentes, etc. e, algumas vezes, até refinados. Alguns deles possuem elevados conhecimentos e habilidades, às vezes até superiores aos das suas vítimas encarnadas.

“Filosoficamente” falando, eles pretendem destruir as obras do bem, e implantar, na Terra, os deturpados e tresloucados conceitos de vida deles. Portanto, eles se dedicam a sabotar todas as obras do bem que eles puderem. Com tal propósito maligno, astutamente eles não visam, necessariamente, fazer mal aos seus obsediados, e sim desviá-los, a qualquer custo, das atividades nobilitantes. Por exemplo, eles podem causar benefícios reais às suas vítimas encarnadas, mas benefícios tais que impeçam, ou pelo menos dificultem, a execução daquelas atividades fraternas.

Os alvos principais obviamente, são os dirigentes e trabalhadores mais atuantes e eficazes das instituições voltadas para o bem material e/ou espiritual da humanidade. Eles sempre agem nas fraquezas individuais e coletivas dos obreiros do bem, estimulando intrigas, fofocas, ciúmes, despeitos, calúnias, brigas, desentendimentos, etc. e até envolvimentos sexuais antiéticos sempre visando destruir, ou pelo menos desestabilizar, aquelas instituições que eles consideram “as terríveis inimigas” deles.
Ironicamente… Considerando que eles só obsediam os melhores seres humanos encarnados  aqueles que, prazerosamente, realizam serviços voluntários, fraternos e solidários – o fato de ser vítima desse tipo de Obsessão não deixa de ser… um elogio. Um grande elogio!

Tipo 10 – Obsessor Vingador

Sem nenhuma sombra de dúvida este é o caso clássico de Obsessão! Mas também é o pior, o mais terrível e o mais cruel de todos!

Os motivos desse obsessor são muito fortes e estão firmemente arraigados no passado, haja vista que remontam a dezenas ou centenas de anos, quando, em alguma vida passada, o hoje “inocente” obsediado cometeu crimes terríveis contra aquele que, atualmente, é o seu Obsessor-Vingador.

Por um lado com raríssimas exceções, a memória do encarnado sempre é limitada ao que está registrado no seu cérebro físico, ou seja, ele não se recorda dos acontecimentos das suas encarnações passadas. Portanto, quem é obsediado desse tipo não se lembra dos males que cometeu, no passado, ao seu atual Obsessor-Vingador.
Por outro lado O Obsessor Vingador se lembra muito bem, perfeita e nitidamente, de tudo que anteriormente sofreu nas mãos do seu atual obsediado. Muitas vezes essas dolorosas lembranças são tão fortes como se todos aqueles terríveis sofrimentos tivessem acabado de acontecer com ele. 
Em outras palavras, ele ainda sente muito intensamente, na própria pele, aquelas profundas e lancinantes dores! Por este motivo é movido por cego e mortal ódio que esse pior tipo de obsessor se dedica, com persistência, dedicação e tenacidade  e até com total exclusividade  a perseguir o seu obsediado, se possível do berço ao túmulo, quem sabe até depois da “morte”, para se vingar dos sofrimentos que ele lhe causou no passado.
No entanto mesmo conhecendo, entendendo e compreendendo os sólidos motivos do Obsessor-Vingador, nem ele nem seu obsediado nem nenhum de nós devemos esquecer de três importantíssimos aspectos éticos e morais dessa séria e grave problemática humana:
Em primeiro lugar: – No passado, quando o Obsessor-Vingador foi vítima do seu atual obsediado, ele não era inocente. Por que? Porque, segundo a sábia, infalível e perfeita Lei de Justiça do Universo  ou Lei de Retorno Similar  naquela época ele precisava receber (como recebeu) o retorno cármico das grandes dores que ele mesmo, anteriormente, causara a outras pessoas. E, naquela época, o tolo instrumento daquele (indispensável) retorno cármico foi o seu atual obsediado.
Em segundo lugar: – Atualmente, o Obsessor-Vingador também não é inocente porque executa uma terrível, fria e cruel vingança contra o seu obsediado, assim praticando justiça com as próprias mãos, o que é condenável até pela falha justiça terrena.
Em terceiro lugar: – Na Escola da Vida, o perdão é uma das mais importantes matérias que tanto o Obsessor-Vingador quanto o seu obsediado como todos nós devemos aprender e praticar!

Conclusão

Esses dez tipos que acabamos de ver, são os mais comuns da chamada Obsessão Direta, na qual os obsessores sempre atuam diretamente sobre os seus obsediados. Além desses dez tipos é lógico que existem outros casos de Obsessão Direta  talvez muitos outros tipos  mas são raros.

No entanto, curiosamente pode ocorrer o singularíssimo (e infelizmente raro) caso daqueles privilegiados encarnados que  na “elogiosa” opinião dos seus potenciais obsessores  são alvos difíceis de atingir, verdadeiros “ossos duros de roer”. Por que?
Porque eles têm e mantêm os seus campos magnéticos tão poderosamente positivos e equilibrados que, praticamente, inviabilizam a máxima eficácia da Obsessão Direta ou, na melhor das hipóteses, dificultariam muito os plenos e rápidos sucessos dos objetivos malignos daqueles obsessores.
Com tais (raros) encarnados “difíceis de obsediar”. Os obsessores mais experientes podem praticar as chamadas Obsessões Indiretas, quando eles atuam sobre outras pessoas mais fáceis de obsediar  e que sejam intimamente ligadas àqueles encarnados que são seus verdadeiros alvos  para assim, de maneira indireta, causarem grandes sofrimentos aos seus potenciais obsediados.
Além disto, tanto na Obsessão Direta quanto na Indireta  felizmente, em situações raras, graças a Deus!  podem atuar aqueles que, na falta de denominação melhor, podem ser considerados Obsessores “High Tech” (que empregam alta tecnologia). 
É isto mesmo! São aqueles maquiavélicos especialistas – ou cientistas do mal – que utilizam avançados conhecimentos e tecnologias para produzir, nos planos astral e mental, sofisticados aparelhos específicos para obsediar encarnados e até desencarnados.

Adjá

Adjá

Adjá, Adjarin (ÀÀJÀ em Iorubá) é uma sineta de metal, utilizada pelos sacerdotes do candomblé, durante as festas públicas, acompanhando o toque. Usado também nas oferendas, como a finalidade de chamar os Orixás ou provocar o transe (incorporação).

O objeto pode ser de uma, duas, três e até 4 sinetas e o cabo geralmente é do mesmo material, que pode ser de bronze, metal, dourado ou prateado.

Cada orixá possui seu metal. O prata é consagrado à Oxalá, Obaluaiê e Iemanjá. O dourado à Oxum, Oxumarê e Oxóssi. O cobre à Xangô, Oyá e Obá. 

O número de câmpula também designa a qual orixá  pertence, como:

– para chamar Exú 01 câmpula;
– para orixás masculinos 02 câmpulas;
– 03 para todos os orixás utilizado pelo Babalorixá;
– 04 para todos os orixás utilizado pelas Ialorixás e Ekédis;

Atualmente existem no mercado muitas variações e se adornam estes com búzios, pedras, miçangas, palha da costa, entre muitos outros enfeites.  É um instrumento sagrado e sem substituição nos rituais do candomblé.

É comum vermos nas rodas de Candomblé, pessoas mais velhas de santo, tocarem esse instrumento enquanto dançam para os Orixás. Seu manuseio, no entanto é vedado aos que ainda são Yawôs, ou seja: Aqueles que ainda não possuem sua obrigação de Sete anos. Também aos não iniciados nos preceitos da religião.

Durante a dança, o instrumento serve para invocar e manter a vibração do Orixá na sala, para que a energia não saia daquele local onde está sendo realizado o candomblé.

Quando se dança com algum Orixá, uma Ekédi ou um Sacerdote, dançam acompanhados desse instrumento para guia-lo durante o ritual. Já em determinadas situações como rezas e outras obrigações, o Adjá tem a função de chamar nossos Orixás para aquele rito, fazendo com que os mesmos abandonem temporariamente o Orun (morada), para se manifestarem em seus filhos.

Também usamos o Adjá para anunciar o inicio de algum ritual ou para chamar atenção das pessoas para algum ato importante. Contudo no Candomblé, o Adjá passa pelo processo de imantação e dado a esse que somente pessoas autorizadas podem  toca-lo.

De Esú a Osalá, todos  eles respondem ao chamado desse instrumento litúrgico, bastando que a pessoa saiba como utilizá-lo. Seu som chama a atenção dos Orisás, anunciando que alguma coisa está sendo feita naquela casa.

O Adjá provoca o transe das pessoas, quando tocado acima de suas cabeças, pois no processo de imantação, ele recebe as energias do sacrifício que foi oferecido a determinado Orixá.

Pessoas que ainda não possuem direito de usá-lo, são imediatamente incorporadas por seu Orixá ao pegarem no mesmo.  Nosso zelador utilizou aquele instrumento para chamar nosso Orixá, desde o nosso Bori até nossa Iniciação,  sendo assim, como vamos sair tocando ADJÁ sem termos recebido autorização para o tal?

Usado em cerimônias festivas ou não, o Adjá é de sua importância no Candomblé e se você ainda não está autorizado para fazer uso do mesmo, não faça!

Não pegue e nem utilize, pois as conseqüências podem ser graves.

Caboclo Sete Flechas.

Caboclo Sete Flechas

Em uma entrevista feita pela médium Lúcia Batista em dezembro de 2015 ao Caboclo Sete Flechas, ele iniciou falando sobre suas últimas encarnações dizendo que naquele dia se apresentava com a vestimenta que mais usa na espiritualidade e que é ligada à última encarnação que teve no Rio de Janeiro na qual foi um professor de Matemática e de Filosofia.

O período desta encarnação foi de 67 anos. Seu desencarne se deu em 1918, porém dá preferência à aparência de 30 anos de idade e é com esta aparência que transita no mundo espiritual.

Disse também que antes desta, teve encarnações no século I na Grécia como Sacerdote. Suas encarnações no velho mundo (Europa) se intercalaram entre a Espanha, a Grécia e a Itália. Teve formação militar no Exercito Romano, atividades sacerdotais na Grécia e como Artesão (como sapateiro) em Sevilha (Espanha). Sempre com interesse no estudo, na educação e na filosofia.

Também  falou sobre a povoação de nosso país. Disse que migrações espirituais trouxeram espíritos para o novo mundo (as Américas), visando trazer progresso tanto no plano espiritual onde se multiplicavam espíritos nativos apegados a costumes bárbaros, visando com que a reencarnação de espíritos com maiores experiências civilizatórias, auxiliasse a alavancar o progresso, sem no entanto perder as raízes.

Com isto teve experiências encarnatórias em tribos brasileiras. Contou que em uma encarnação de Índio Tupiniquim, aos 19 anos de idade, uma missão de Jesuítas entrou em contato com a sua tribo. Entre estes Jesuítas encontrava-se o padre que hoje é o Caboclo Sete Montanhas. Foi por ele catequizado porque foi atraído, através das lembranças reencarnatórias de quando era sacerdote, pelo ritual que desempenhavam, pelo estudo que desenvolviam, pelo ensino. Tudo aquilo despertou no jovem Índio experiências adormecidas pelo passar dos anos e das reencarnações. Por isso, desenvolveu atividades de auxiliar os padres em seus afazeres sacerdotais e com isso foi reaprendendo e “relembrando” tudo que estava adormecido, auxiliando também na domesticação de outros Índios. 

Este trabalho se deu até a idade de 32 anos quando enfermidades do homem branco abalaram a saúde e desencarnou. A partir daí teve outras encarnações em famílias portuguesas que para aqui vieram, sempre se envolvendo com o estudo, com ensino e religiosidade.

A partir deste momento começou a falar sobre a necessidade do médium conhecer a entidade com a qual trabalha, disse ser importante manter-se o foco, não apenas no trabalho que se realiza, mas principalmente na mensagem e no resultado de todo esforço laborativo (do trabalho) de cada Entidade que conosco dialoga e retém laços de relacionamento. A este respeito fez observações dizendo: “Muitas vezes a curiosidade vos tira o foco do que é mais necessário. Desprendam-se dos excessivos detalhes de erros cometidos, das dores sofridas, de datas específicas e milimetricamente contadas.” Disse que é importante sabermos situarmos em que época tal história teve desenvolvimento, mas muito mais importante é valorizar a mensagem positiva e o aprendizado que se tem de cada contato com o mundo espiritual.

Disse ainda que muitos esperam que o mundo espiritual seja uma melhora do mundo material, muitos esperam que o mundo espiritual seja algo revelador e completamente diferente de tudo que se imagina ser. Esclareceu que o mundo espiritual percebido é montado e é criado de acordo com a expectativa que se tem dele. “A mente do homem é prodigiosa, é poderosa, se o homem crê que no mundo espiritual existem hospitais, hospitais ele encontrará. Se o homem crê que o mundo espiritual é pleno de nuvens e de brisa leve, nuvens e brisa leve é o que o homem encontrará. Nada foge à magnitude e ao poder da criação da mente humana.” Disse que é importante desfocarmos das diferenças individuais e forcarmos no real aprendizado que cada criatura tem a passar e a oferecer.

Prosseguiu dizendo que o encontro de almas se dá pela sintonia vibratória acumulada ao longo das várias existências, das crenças, dos valores que se cria, do amadurecimento que se tenha. Tudo isso cria um campo magnético fazendo com que campos magnéticos semelhantes se atraiam e se unam e é assim que encontramos amigos, encontramos amores, e foi assim que, mesmo na roupagem de um jovem índio, encontrou o comandante espiritual daquela casa.

O jovem índio com atividades guerreiras tinha experiências reencarnatórias que foram despertadas ao ter encontrado alguém do mesmo velho mundo de onde procedera, e teve a oportunidade da evangelização e de aliar ao conhecimento espiritual da época, o conhecimento e o amor à natureza do índio nativo, de uma terra pujante (que tem grande força) de energia, de magnetismo e de se ter permitido desenvolver sentimentos e atividades caridosas.

Concluiu dizendo que o compromisso que se assume de ser um guia ou não ser um guia, é criado diariamente, é criado de acordo com a responsabilidade que se assume, pelo amor que se tem ao próximo, e pela responsabilidade que se tem pelo próximo. Para ser um guia é preciso aprender a falar a linguagem de cada um que de nós se aproxima. É como o magistério; é um sacerdócio. É extrair de cada criatura aquilo que ela imagina não ter, mas que sabemos que lá está. É confiar, é acreditar no ser humano, “eis a missão de cada guia e não apenas deste que vos fala. É isso que move seja um Comandante, seja um trabalhador auxiliar da Seara do Bem”.

Perguntamos se existe uma comunicação da parte do Caboclo Sete Flechas com a entidade do médium para saber se o mesmo já estaria pronto para riscar o ponto. Ao que ele respondeu que o Guia Mentor de cada médium comunica à direção da casa como está o seu trabalho com o seu aparelho. Tudo isso ocorre no mundo espiritual. Ressaltou que a simples intuição de um ponto não significa que o médium está pronto para o trabalho, porque há médiuns que têm intuição do ponto, mas só vão dar prosseguimento ao seu trabalho de consulta, anos ou meses depois. Isso porque não é só a intuição do ponto, como foi dito, é a composição áurica, seu campo psíquico, é que dão as indicações de que existe uma sintonia ainda maior com o seu mentor. Não é só a intuição de ponto, mas é a aproximação de auras de mentor e médium que necessita ser pelo mundo espiritual, pela sua forma, pela sua postura intensa, coesa, simples para que possam então identificar uma possibilidade de trabalho, mais frutífero adiante. Por isso que muitos médiuns não têm intuição de ponto, mas existe, espiritualmente, uma forte sintonia e na hora de riscar o ponto, esta intuição vem porque não é somente a intuição que é importante, o que é importante é a intimidade que se desenvolve entre Médium e Guia.

Na medida em que o médium acredita, confia na casa que tem, na direção que tem e também em si e em seu Guia, estas portas se abrem. Elas se abrem na medida em que os filhos se permitem que elas abram. Quando há uma convocação e o médium entende que ele está ali para isso, esta sintonia se faz e esta percepção ocorre. Então a simples percepção de um ponto durante um sonho, durante um êxtase, isto por si só não indica que já se está pronto, o que indica se está pronto é a maior inteiração fluídica que se percebe no mundo espiritual entre o médium e seu guia.

E assim encerramos o estudo de hoje, com a certeza de que a Espiritualidade maior trabalha com afinco, com dedicação e carinho para que possamos ajudá-los a nos ajudar e assim juntos ajudarmos ao próximo.

Perguntado se Exús e Pombos Giras seriam igualmente auxiliares nos trabalhos de uma casa ele respondeu que sim e acrescentou: “O grande orquestrador de tudo que acontece, que diz que sim e que diz não, o responsável, neste momento, pela direção da casa é o Caboclo ou Preto Velho regente. Todos os demais são auxiliares deste amigo espiritual.”

Conclusão:

As últimas encarnações são as mais importantes no sentido de que por serem as mais recentes são de fácil acesso no arquivo de memórias do espírito. Necessariamente não são as que definem o que o espírito é no presente. Como disse antes, a formação do espírito e feita através de várias experiências encarnatórias.

Lembrando que mais que palavras bonitas, são palavras de ordem, que devem ser colocadas em pratica. “Orai e vigiai”!!!! Disciplina, sempre!!!…

 

Outra História do Caboclo Sete Flechas

 

Caboclo Sete Flechas era um índio Oriundo da Tribo Dos Patachós, que se localizava na Mata Escura na época (entre os anos 200 e 300), onde hoje é o Estado da Bahia, é um Caboclo que vem na Irradiação de Oxóssi, podendo ser cruzado para vir na enviação de todos os Orixás.  

O Caboclo Sete Flechas recebeu as suas Flechas de 7 Orixás, a mando do Pai Oxalá, conforme segue:

* Oxóssi colocou uma Flecha no seu Braço direito, flecha da saúde para que derrame sobre nós os bálsamos curadores.

* Ogum colocou uma flecha no seu braço esquerdo, flecha da defesa para que sejamos defendidos de todas as maldades materiais e espirituais.

* Xangô cruzou uma flecha em seu peito, para nos defender das injustiças da humanidade.

* Iansã Cruzou uma flecha em suas costas, para nos defender de todas as traições de nossos inimigos.

* Iemanjá colocou uma flecha sobre sua perna direita, para abrir os nossos caminhos materiais e na senda da espiritualidade.

* Oxum colocou uma flecha sobre sua perna esquerda, para lavar os nossos caminhos, iluminar os nossos espíritos e nos defender de todas as forças contrárias à vontade de Deus.

* Omulu/ Obaluaiê entregou em suas sagradas mãos a flecha da força astral superior, para distribuir a humanidade a Divina força da fé e da verdade.

O Caboclo Sete Flechas tem um conhecimento profundo das ervas e das folhas de nossa flora e da flora de outros países, trabalha na cura, exímio vencedor de grandes demandas espirituais e como alguns costumam dizer ele é um Caboclo Mandingueiro, ou seja, quebrador de mandingas destinadas a seus filhos e a seus protegidos, manipulador das energias do Astral e não fica “preso” a nenhuma vibração, ele trabalha dentro de todas as vibrações com os Falangeiros que ele comanda.

Cabocho Sete Flechas 2

 

Oração ao Caboclo Sete Flechas Cura e Proteção

 

Salve Deus Pai , criador de todo o universo!

Salve São Sebastião, Rei da Mata e Guia de todos os Caboclos!

Salve, Pai Sete-Flechas e sua falange de obreiros!

Pai Sete-Flechas, baixai sobre nós um raio de vossa Divina Luz, iluminando os nossos espíritos, para que possamos entrar em comunicação com vossa centelha divina de onde emanam as vossas sagradas Flechas, defendendo-nos e amparando-nos neste mundo.

Salve as Sete-Flechas que vos foram dadas espiritualmente para defender e proteger de todas as dificuldades e angústias neste mundo.

Bendito seja o sagrado nome de São Sebastião, de Oxóssi que vos botou sobre o vosso braço direito a Flecha da Saúde para que derrame sobre nós os bálsamos curadores.

Bendito seja o sagrado nome de São Jorge e de Ogum, que vos colocou sobre o braço esquerdo a Flecha da Defesa a fim de que sejam defendidos de todas as maldades materiais e espirituais.

Bendito seja o sagrado nome de São Jerônimo e de Xangô que vos cruzou uma Flecha em vosso peito para nos defender das injustiças da humanidade.

Bendita seja a mãe e nome da Senhora da Conceição que vos cruzou uma flecha em vossas costas, para nos defender de todas as traições de nossos inimigos.

Bendito seja o nome do Senhor do Bonfim, nosso Pai Oxalá, que vos botou uma Flecha sobre vossa perna direita, para abrir os nossos caminhos, materiais e na senda da espiritualidade.

Bendito seja o divino nome de Nossa Senhora dos Navegantes e de nossa mãe Iemanjá que vos botou uma Flecha sobre vossa perna esquerda, para lavar os nossos caminhos, iluminar nossos espíritos e nos defender de todas as forças contrárias a vontade de Deus.

Bendito seja o sagrado nome de São João Batista, e o nome de Xangô, que entregou em vossas sagradas mãos a Flecha da Força Astral Superior, para distribuir à humanidade a divina força da fé e da verdade.

Orixás e entidades da Umbanda e do Candomblé.

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Umbanda de Caboclos, Boiadeiros, Pretos Velhos, Marinheiros e todo o seu mistério

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Ciganos, suas origens e seus mistérios.

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Mestre Zé Pilintra

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Rainha Maria Padilha, Exús e Pombo Giras

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Lendas, Mistérios e Curiosidades da Religião Afro

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

%d bloggers like this: