Música Cigana

Quando os ciganos deixaram o Egito e a Índia, eles passaram pela Pérsia, Turquia, Armênia, chegando até a Grécia, onde permaneceram por vários séculos antes de se espalharem pelo resto da Europa.
A influência trazida do oriente é muito forte na música e na dança cigana. A música e a dança cigana possuem influência hindu, húngaro, russo, árabe e espanhol. Mas a maior influência na música e na dança cigana dos últimos séculos é sem dúvida espanhola, refletida no ritmo dos ciganos espanhóis que criaram um novo estilo baseado no flamenco.
Os instrumentos na música cigana:
Na música cigana usa-se violão, castanholas com ritmo flamenco, violino, e também usam batidas nas mãos e pés, simbolizando o sapateado.
A música mais tocada e dançada pelos ciganos é a música Kaldarash, própria para dançar com acompanhamento de ritmo das mãos e dos pés e sons emitidos sem significação para efeito de acompanhamento. Essa música é repetida várias vezes enquanto as moças ciganas dançam. Lovara e Kalderash: São compostos de improvisação orais sem qualquer instrumento musical.
A Música cigana brasileira:
No Brasil , são usados a dança de acampamento puro ritmos dos pés e sons dos pés, são musicas e danças originais de acampamento as vezes acompanhado de pandeiro e violão.
A música cigana é é produzida pelos seguintes instrumentos:
* Guitarra
* Viola
* Violinos
* Contrabaixo
* Balalaica
* Alaúde
* Acordeões
* Címbalos
* Castanholas
* Pandeiros
* Bandolim
Opchá!

Comigo ninguém pode

Entre as maiores recomendações para quem deseja proteger seu lar contra visitas indesejadas, invasores ou cobiça, está a Comigo Ninguém Pode, presente logo ao pé da porta de entrada ou adornando quintais.

 

Através dela, são atribuídos efeitos como a proteção contra o mau-olhado e a inveja, contribuindo ainda no auxílio para uma maior atração de boas energias. Como efeitos secundários, a Comigo Ninguém Pode possibilita a limpeza e o fortalecimento energético, tanto de pessoas quanto do ambiente em que está inserida.

 

Em seu modo de atuação, a planta absorve as energias negativas de pessoas mal-intencionadas, evitando que tais malefícios cheguem ao morador da residência em que se encontra ou demais locais. Como resultado, temos indivíduos felizes e que deverão atrair para si próprios e para seu lar apenas positividades, livrando-se de qualquer aura pesada, intrigas familiares, tristeza e seres obsessores que possam estar rondando o ambiente, prestes a entrar em sua casa.

 

Geralmente, muitas pessoas fazem seu uso em conjunto com outra planta deste mesmo segmento, a Espada de São Jorge, pode potencializar todos os efeitos citados, sendo juntas capazes de quebrar feitiços, magias e livrar quem a possui do mau-olhado. Na Umbanda, ambas as plantas são associadas ao poderoso Orixá Ogum, enquanto a Comigo Ninguém Pode também possui relação com Exú.

 

Outras possibilidade de associação da Comigo Ninguém  Pode é planta-la ao lado ou em um mesmo espaço de terra juntamente à Pimenteiras, Arruda e, claramente, a Espada de São Jorge.

Falsa Mediunidade

Falsa Mediunidade

Falsa mediunidade é quando ocorre uma mistificação, ou seja, uma ação mentirosa consciente, onde alguém simula um fenômeno mediúnico e, na realidade, não é. É algo deliberado, pensado, criado para enganar. A identificação de uma mistificação mediúnica passa, primeiramente, pelo conhecimento dos conceitos acima do que é e do que não é mediunidade, embora sejam fenômenos autênticos do psiquismo. Eliminadas estas hipóteses, parte-se, então, para se testar a contradição do impostor.
Há, porém, a necessidade de se distinguir entre o médium mistificador do médium mistificado. O médium mistificador é aquele que age conscientemente para enganar, enquanto que o médium mistificado é quando o espírito que o médium recebe promove a trapaça. No médium mistificador não existe espírito algum, no médium mistificado, há espírito no médium, mas é ele que gera o equívoco.

A falsa mediunidade pode ocorrer por dois mecanismos:

Animismo –  No qual o médium pensa que está incorporado com uma entidade, mas na realidade está vazio: ele está apenas sugestionando. Isso acontece com médium mal preparado, com aqueles que não cumprem as suas obrigações de desenvolvimento: não se concentram, não mentalizam, não renovam as suas imantações, não se preparam. Para evitar o animismo, basta cumprir todos os passos da preparação correta.

 

 

Mistificação – Existe mas, felizmente, é uma minoria dos casos. Ela pode se apresentar de forma direta ou indireta:

 

 

  •  A Mistificação Direta ocorre quando o médium, com má fé e propositalmente, mistifica, finge, engana propositadamente; esta é uma das condições mais baixas de um médium, e é inadmissível.
  • A Mistificação Indireta ocorre quando é o espírito que mistifica, embora o médium esteja agindo corretamente. Pode acontecer, por exemplo, que um espírito de pouca vibração se apresente como uma alta entidade do astral e comece a dar conselhos errados. 

 

O espírito mistificador pode ser identificado porque o trabalho mediúnico ocorre de forma diferente da habitual; para evita-lo o médium deve ser bem preparado, de modo a poder identificar os sintomas de aproximação das várias entidades.

 

 

Toda e qualquer expressão de mediunidade exige disciplina educação, correspondente conduta moral e social do seu portador, a fim de facultar-lhe a sintonia com Espíritos Superiores.

 

 

O médium irresponsável, não é apenas aquele que, ignorando os recursos de que se encontra investido, gera embaraços e perturbações, tombando nas malhas da própria fraqueza, mas também, aqueles outros que, esclarecidos da gravidade do compromisso, se permitem deslizes morais, vontades típicas do caráter doentio, terminando vitimados pelas obsessões cruéis e ganhar dinheiro em casa.

A magia das fitas ciganas.

1546613890385970

 

Quando falamos em ciganos, falamos em cores, alegria, encanto, magia, sedução. 

E todo o misticismo que envolve essa cultura maravilhosa, e que ainda é vítima de preconceitos bobos. Pois bem, vamos falar sobre a magia das fitas, e como elas são usadas pelos ciganos e ciganas. 

 

 

Fita Amarela: Traz prosperidade, equilibra a mente, traz inovação de idéias. 

 

 

Fita Azul Clara: Proporciona serenidade, segurança e confiança, equilíbrio emocional e proteção. 

 

 

Fita Vermelha: Desperta a coragem, a determinação, o entusiasmo e a paixão. Equilibra os relacionamentos. 

 

 

Fita Verde: Cura física e espiritual. 

 

 

Fita Dourada: Usada em trabalhos de prosperidade, traz a riqueza. 

 

 

Fita Azul Royal: Proteção. 

 

 

Fita Rosa: Promove a auto-estima, a aceitação de si, promove o amor universal. Equilibra as emoções. 

 

 

Fita Laranja: Entusiasmo e alegria. 

 

 

Fita Violeta: Transmutação 

 

 

Fita Marrom: Traz a realidade prática da vida. Promove aterramento. 

 

 

Da próxima vez que vir uma cigana faceira dançar com seu pandeiro, e ver as fitas. Saiba que ela naquele momento ativa todas as forças da natureza para que a magia se realize no agitar do pandeiro e das fitas. 

 

 

 

Magia com fitas: 

 

 

Essa é uma magia simples que você pode fazer para atrair proteção, coragem e força no propósito que deseja. Pegue duas velas, uma vermelha e uma azul Royal. Amarre ambas com uma fita de cetim vermelho (daquelas fininhas). Coloque ambas em um pires ou no seu tacho cigano, desembainhe seu punhal e coloque próximo a elas. Consagre aos ciganos de luz e peça que Santa Sara te proteja para que você alcance o que deseja. Reze 03 ave marias e acenda as velas. Se quiser, embaixo delas coloque escrito num papel branco e sem pauta o seu pedido. 

Deus segundo Baruch Spinoza

Einstein, quando perguntado se acreditava em Deus, respondeu: – ” Acredito no Deus de Spinoza que se revela por si mesmo na harmonia de tudo o que existe, e não no Deus que se interessa em premiar ou castigar os homens”.
O DEUS DE SPINOZA
Estas palavras são de Baruch Spinoza, filósofo holandês que viveu em pleno séc. XVII. Este texto foi chamado de “Deus segundo Spinoza” ou “Deus Falando com você”.
“Para de ficar rezando e batendo no peito. O que eu quero que faças é que saias pelo mundo, desfrutes de tua vida. Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que Eu fiz para ti.
Para de ir a estes templos lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo construíste e que acreditas ser a minha casa. Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nas praias. Aí é onde eu vivo e expresso o meu amor por ti.
Para de me culpar pela tua vida miserável; eu nunca te disse que eras um pecador.
Para de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo. Se não podes me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar dos teus amigos, nos olhos de teu filhinho… não me encontrarás em nenhum livro…
Para de tanto ter medo de mim. Eu não te julgo, nem te critico, nem me irrito, nem me incomodo, nem te castigo. Eu sou puro amor.
Para de me pedir perdão. Não há nada a perdoar. Se Eu te fiz… Eu te enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio. Como posso te castigar por seres como és, se sou Eu quem te fez? 
Crês que eu poderia criar um lugar para queimar a todos os meus filhos que não se comportam bem pelo resto da eternidade? Que tipo de Deus pode fazer isso?
Esquece qualquer tipo de mandamento, são artimanhas para te manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti. Respeita o teu próximo e não faças aos outros o que não queiras para ti. A única coisa que te peço é que prestes atenção à tua vida; que teu estado de alerta seja o teu guia. Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno.
Para de crer em mim . . . crer é supor, imaginar. Eu não quero que acredites em mim. Quero que me sintas em ti quando beijas tua amada, quando agasalhas tua filhinha, quando acaricias teu cachorro, quando tomas banho de
mar.
Para de louvar-me! Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu seja? Tu te sentes grato? Demonstra-o cuidando de ti, da tua saúde, das tuas relações, do mundo. Expressa tua alegria! Esse é o jeito de me louvar.
Para de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te ensinaram sobre mim. Não me procures fora! Não me acharás.
Procura-me dentro… aí é que estou, dentro de ti.”

Oração para os Orixás

ORAÇÃO PARA OS ORIXÁS

Que a irreverência e o desprendimento de Exu me animem a não encarar as coisas de forma como elas parecem à primeira vista e sim que eu aprenda que tudo na vida, por pior que seja, terá sempre o seu lado bom e proveitoso!
Laro Yê Exu!
Que a tenacidade de Ogum me inspire a viver com determinação, sem que eu me intimide com pedras, espinhos e trevas. Sua espada e sua lança desobstruam meu caminho e seu escudo me defenda.
Ogun Yê meu Pai!
Que o labor de Oxossi me estimule a conquistar sucesso e fartura à custa de meu próprio esforço. Suas flechas caiam à minha frente, às minhas costas, à minha direita e à minha esquerda, cercando-me para que nenhum mal me atinja.
Okê Aro Ode!!!!
Que as folhas de Ossain forneçam o bálsamo revitalizante que restaure minhas energias, mantendo minha mente e meu corpo são.
Ewe Ossain!!!!
Que Oxum me dê serenidade para agir de forma consciente e equilibrada. Tal como suas águas doces – que seguem desbravadoras no curso de um rio, entrecortando pedras e se precipitando numa cachoeira, sem parar nem ter como voltar atrás, apenas seguindo para encontrar o mar – assim seja que eu possa lutar por um objetivo sem arrependimentos.
Ora Ye Yêo Oxum!!!!
Que os raios de Iansã alumiem meu caminho e o turbilhão de seus ventos e tempestades limpem meu caminho e levem para bem longe aqueles que de mim se aproximam com o intuito de se aproveitarem de minhas fraquezas.
Êpa Hey Oyá!!!!
Que os raios de Xangô iluminem meus caminhos e suas pedreiras sejam a consolidação da Lei Divina em meu coração. Seu machado pese sobre minha cabeça agindo na consciência e sua balança me incuta o bom senso.
Caô Cabecilê!!!!
Que as ondas de Iemanjá me descarreguem levando para as profundezas do mar sagrado as aflições do dia-a-dia dando-me a oportunidade de sepultar definitivamente aquilo que me causa dor e que seu seio materno me acolha e me console.
Odoyá Iemanjá!!!!
Que as cabaças de Omolu/Obaluaiê tragam não a cura de minhas mazelas corporais, como também ajudem meu espírito a se despojar das vicissitudes.
Atotô Obaluayê!!!!
Que a vitalidade dos Ibejis me estimule a enfrentar os dissabores como aprendizado; que eu não perca a pureza mesmo que, ao meu redor, a tentação me envolva. Que a inocência não signifique fraqueza, mas sim refinamento moral. 
Onibeijada!!
Que o arco-íris de Oxumarê transporte para o infinito minhas orações, sonhos e anseios e que me traga as respostas divinas, de acordo com o meu merecimento. 
Arrobobo Oxumarê!!!!
Que a paz de Oxalá renove minhas esperanças de que, depois de erros e acertos; tristezas e alegrias; derrotas e vitórias; chegarei ao meu objetivo mais nobre; aos pés de Zambi maior!
Êpa Babá Oxalá!!!!
AXÉ.
Autor desconhecido.

Aonde estava Exú nessa hora?

Esses dia fomos questionados pelo fato de estarem acontecendo muitos homicidios
dentro das casas de Candomblé ou Umbanda, no nosso Brasil.
Respondemos assim: Será que não é a insatisfação dos males feitos por sacerdotes
e sacerdotizas? Será que os deuses começaram a fechar os olhos pelo desmando?
Bem, no nosso endender, se isso acontece em alguma casa , é simplesmente 
porque os proprietários, zeladores e zeladoras, dão caminho para a situação! 
Mas como?
Hoje, as  festas de exú são um caminho aonde as Pombo giras, e Exús, mesmo
sabendo dos clientes com seus passados ou vidas tortas, os atendem em
seus pedidos; e, muitas das vezes a ganância dos zeladores é tão grande,
que fecham os olhos para o certo e o errado, e cultivam uma amizade entre
laços por conta do dinheiro fácil, e se esquecem que certos tipos de pessoas
ilícitas procuram somente o Orixá para bens próprios,  muitas das vezes
para se livrarem de desafetos ou até mesmo da polícia/justiça.
O sacerdote ambicioso, se envolve, e muitas das vezes compactua com a
situação,  fechando os olhos para a real situação. Até que a mão não seja
mais um ponto de união entre o bem e o mal, daí o caminho para uma tragédia
já está próximo, e muitas vezes sem volta. 
Daí, quando acontece a tragédia, muitos perguntam: “cadê o Exu da casa que
não viu isso?” “Cadê o jogo do sacerdote que não lhe avisou do mal agouro,
ou seja, respondendo cade o Exu?” Ele estará aonde ele sempre esteve,  lá nos seus
acentamentos, somente observando, porque temos que fazer o correto, pois desde que a
gente compactua com coisas erradas, e sabemos que é errado, os Orixás e Exús não
tem nenhuma obrigação de nos defender, sendo que eles mesmos procuraram por
causa de suas ambiçoes, portanto, se a pessoa passar por um enredo de morte,
vai acontecer! Vai ver o que fizeram nesse meio tempo, clientes e sacerdotes:
TUDO ERRADO! 
Portanto, devemos sempre procurar a autorização de nossos Inkisses, Orixás ,
Voduns,  Exús e Pombos Giras. Se a pessoa realmente veio em sua porta pra somar,
e se não veio a somar, trate bem, dê conselhos, e ponto final.
Nem Exú, nem Pombo gira, vai lhe segurar, se você vive no erro.
Lembre-se também: tudo aquilo que é seu virá nas suas mãos no tempo
e hora marcada. Dinheiro fácil encurta a vida, afasta as boas energias trazendo
perigo à você, e aos seus clientes/seguidores.
Agora, dizer que um jogo não avisa o que vai acontecer, é ilógico.
As coisas negativas caem direto em nossa mesa de jogo, as vezes voce se livra,
e outras vezes você esta condenado aquilo, pois foi voce mesmo
quem procurou.

Então amigos, cuidado com a facilidade.

Orixá, Exú e Pombo Gira não são facilidades.
Procurem ser corretos para que sejam sempre bem visto e lembrados.

Kolofé a quem é de Kolofé,

Motumbá a quem é de Motumbá, 

Mukuiu a quem é de Mukuiu,

E a benção a quem é de benção.

Nota

Previous Older Entries

Orixás e entidades da Umbanda e do Candomblé.

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Umbanda de Caboclos, Boiadeiros, Pretos Velhos, Marinheiros e todo o seu mistério

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Ciganos, suas origens e seus mistérios.

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Mestre Zé Pilintra

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Rainha Maria Padilha, Exús e Pombo Giras

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Lendas, Mistérios e Curiosidades da Religião Afro

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

%d bloggers like this: