O Malandro


Zé

Quando se fala em “malandro”, na linguagem cotidiana, a primeira ideia que nos ocorre é a do boêmio, do jogador inveterado de cartas ou de dados, do amante da noite, da música e das rodas de danças, que vivia de expedientes, carregava navalha ou faca e fugia da polícia.   

O “malandro” carioca faz lembrar aquele que vivia na Lapa, que gostava de samba e passava as noites na gafieira, chegando a ser personagem de peças teatrais, de músicas e de muitas histórias. Já o “malandro” de Pernambuco vivia nas danças do coco e do xaxado, passando as noites no forró. O que eles têm em comum? Eram todos marginalizados pela sociedade, vistos como “gente à toa”. Porém, sobreviveram a esse clima adverso, vivendo sem acesso a uma boa instrução ou a bons empregos; nem sempre conseguiram, senão com muita dificuldade, dar alguma instrução aos filhos. Nem por isso perderam a alegria, o gosto pela música e pela dança, pelo carteado, pela conversa noite adentro, de alguma forma conseguindo manter suas raízes religiosas e tradições ancestrais, dando “um jeitinho” de ser felizes.  

Por trás dos arquétipos da Umbanda, vamos encontrar, no mais das vezes, a Mão da Espiritualidade Superior a corrigir grandes equívocos e injustiças sociais e a nos fazer refletir, enquanto nos auxilia nos problemas do cotidiano. E hoje temos, na presença da Linha de Malandros, uma excelente oportunidade de refletir sobre algumas questões, em especial: primeiro, que nem tudo que parece ruim de fato o é; e segundo, que de tudo se pode extrair algo de bom e de positivo. Do que poderia ter sido uma experiência de todo ruim, esses Espíritos extraíram uma lição de flexibilidade. E aquilo que para uma sociedade hipócrita parecia ser neles um mal era, muito ao contrário, a prova de valor de um povo que manteve fidelidade às suas raízes e não se deixou vencer pelo meio hostil.   

Os Malandros vêm até nós, pelas Mãos do Alto, para nos ensinar “a boa malandragem”: fazer limonada com os limões azedos que recebemos dos outros; escorregar e levantar rapidinho, sem perder a compostura e a elegância, e já sair dançando e cantando; aprender jogar “o jogo da vida” e ser um bom parceiro de jogo, aprendendo a rir das tristezas e de si mesmo; assumir ser o que se é, sem hipocrisias, e fazer todo o Bem que se possa; não se prender a padrões e valores externos, mas ficar centrado em si mesmo e na sua Fé, sem nunca desacreditar da Vida Maior, cujo amparo permeia todos os nossos caminhos diários.  

Pensar que os Malandros podem nos ensinar tudo isso brincando, de um jeito tão despojado, é o bastante para se quebrar velho ditado que dizia: ”de onde não se espera é que não sai nada”. Porque as aparências enganam!…   Então, não vamos viver de aparências e nem pelas aparências. Vamos viver a vida com Amor, Respeito e Fé.

Vamos acreditar em nosso poder interior, que é Deus em nós. Vamos aprender a nos centrar e a nos conhecer intimamente, despertando nossas capacidades e valores acumulados ao longo desta e de outras encarnações e que ainda dormem dentro de nós, mas que podem ser despertados pelo nosso querer, por nossa vontade de superar as dificuldades, por nossa firme determinação de curar nossos pensamentos menos felizes e de encontrar respostas para as nossas necessidades, para enfim chegarmos a um caminho de felicidade, aqui e agora.marketing digital

 

Seja papagaio solto, não fale. Aja!

zé e o papagaio

zé e o papagaiozé e o papagaio

Malandro da Calunga


MALANDRO

São raríssimos os médiuns que trabalham com esse malandro. Eles costumam ser sérios durante seus trabalhos e gosta muito de trabalhar para ajudar os humildes e necessitados, fazendo justiça e não gosta de pessoas ambiciosas e arrogantes.

Em vida foi muito amigo das pessoas da alta sociedade, mas só se sentia feliz quando estava nos bares bebendo, onde conquistava todos os tipos de mulheres, mas não se apaixonava por nenhuma. Foi um homem de classe média e todos gostavam muito dele. Infelizmente se perdeu na bebida e nos vícios.

Se apresenta muito elegante, porém é de uma simplicidade muito grande. Morreu muito jovem, mas quando vem para trabalhar é de uma sabedoria muito grande e uma postura de quem viveu muitos anos.melhores franquias brasileiras

Seu Zé Pretinho, menino de Zé…

Seu Zé Pretinho é um guia com uma forte ligação com seu Zé Pilintra, digamos que foi acolhido por Seu Zé Pilintra e na espiritualidade carrega um grande respeito por ele, gratidão e muito afeto. No princípio de suas manifestações na Umbanda, este guia era muito confundido com Seu Zé Pilintra, chamado de forma errônea por ‘’Zé Pilintra moço’’, isso ocorria muito, porque este guia se trajava igual ao Seu Zé Pilintra, é uma forma de gratidão e admiração da parte dele para com o guia no qual ele respeita muito, Zé Pretinho teve autorização pra isso, e como ao chegar aos terreiros já era imediatamente chamado de ‘’Zé Pilintra’’, assim foi deixando, sem se sentir incomodado, pelo contrário, sentia-se até mesmo honrado em ser referido pelo nome de um guia do qual o acolheu na espiritualidade. 

Embora se perceba todo este contato entre ambas as entidades espirituais, a personalidade e individualidade de cada um é bem diferente, principalmente na manifestação. Zé Pretinho não traz a essência da Jurema, dos antigos cultos de catimbó como traz seu Zé Pilintra, e em sua última encarnação, Zé Pretinho era moço, viveu em épocas diferentes, não teve a mesma juventude e nem o desfrute de viver mais tempo, desencarnou ainda rapaz, com seus vinte e poucos anos.

Toda essa essência do galanteador moço, o malandro nordestino que encanta com seu gingado e com o seu dançar são características de seu Zé Pretinho, modo de suas manifestações, trazendo aquele preceito da boa prosa, da ‘’brincadeira’’ ou da alegria pairando no ar, um guia que se manifesta com mais frequência, fala com todos e pra todos, conhecedor das quizilas, aquele bom malandro da noite entendedor dos mistérios, ele não é Exu e nem baiano, embora nascesse e vivesse nesta terra, Zé Pretinho é Zé Pretinho, gosta da encruzilhada e da alegria do povo da Bahia, Zé Pretinho é conhecido pela sua ousadia.  Foi assim que sua manifestação foi ficando conhecida em todos os cantos do Brasil, porém, levando a frente o nome de seu Zé Pilintra, pouco sendo chamado pelo seu próprio nome de Aruanda.

E assim, surgiram muitas confusões com a verdadeira imagem de seu Zé Pilintra, pessoas foram tomando conhecimento de boca em boca de quem era seu ‘’Zé Pilintra’’ pela essência que trazia seu Zé Pretinho, e infelizmente isso foi sendo acrescentado pelas mentes fantasiosas que transformaram todos esses fatos em inverdades e nas controvérsias mais profundas com a denominação de ‘’malandro’’ e ‘’Zé Pilintra’’, distorcendo tudo, desde a origem da palavra ‘’malandro’’ até outros elementos que envolvem diferentes guias espirituais.

A confusão que fizeram é até considerada compreensível, já que seu Zé Pretinho deixou ser chamado pelo nome de seu Zé Pilintra e se trajava igual ao mesmo (se traja ainda), mas um templo que se aprofunda um pouco mais nas origens das entidades espirituais, acaba descobrindo as incógnitas por trás das cortinas da espiritualidade, com isso fazendo por onde se livrar das confusões e obter muitas respostas.

Zé Pretinho tem este gosto do traje de seu Zé Pilintra e seu Zé Pilintra faz questão dele trajar-se como ele, como um pai que se orgulha do filho por ele admirá-lo e respeitá-lo tanto, mas em muitos locais, onde seu Zé Pretinho é tratado por seu nome, sua vestimenta segue a cor preta ao substituir à vermelha, sendo assim veste-se com o preto e o branco, para não deixar margens a futuras confusões ou controversas, embora, Zé Pretinho como havia dito, não dá importância para as controvérsias  justamente por ser um guia de luz e estar longe dos conceitos humanos.

Zé Pretinho é o menino de Zé Pilintra que o zela como um filho na Aruanda, um guia de confiança que Seu Zé Pilintra acolheu e o colocou em seu caminho para somar essências espirituais. 

‘’Menino cheiroso onde você mora?  

O seu Zé Pretinho vem, por Nossa Senhora!’’ melhor hospedagem

Carlos Pavão (Pai Carlos’Ogum)

Zé Malandro e Maria Mulambo

 ZÉ MALANDRO E MARIA MULAMBO.

 

Podem falar que eu não presto, 

que sou vagabundo,

e que não tenho valor,

Mas não esquecerás que foi esse vagabundo seu primeiro amor,

Afoguei meu ego na bebida, para tentar te esquecer,

Mas parece até castigo, que eu não consigo,

MULAMBO, MINHA PAIXÃO É VOCÊ…

Malandro Miguel Camisa Preta

Vamos conhecer aqui um pouco da historia da vida, morte e reencarnação do malandro camisa preta, e também pedir proteção a ele através de uma forte oração.
Miguel Camisa Preta, era um boêmio das noites cariocas ,um amante da escola de samba da portela, sua vida e também morte se passou em Madureira não dispensava nenhuma “preta” como ele próprio diz, entidade nova esteve muitas vezes em rodas de samba de raiz do Cacique de Ramos, mais um lugar preferidos para as noites de carteado fora a favela do jacaré. Camisa Preta viveu até seus 44 anos teve um filho, e também uma esposa, além de varias amantes 
Era muito requisitado para resolver problemas nas comunidades que frequentava, e com isso tornou se amigo de muitos, mas por esse motivo também cobiçou a inveja em outros.em uma sexta feira de movimento na favela do jacaré ele bebia cerveja e jogava cartas em um bar dos becos do jacaré quando quatro homens o assassinaram pelas pelas costas.
 
Após feito sua passagem espiritual e não tendo se conformado com sua morte ,ele passou então a ser uma entidade ,passando a linha de malandros, por não ter se conformado com sua morte ele se vingou das pessoas que o traíram e matou cada um deles ,hoje sua missão é ajudar pessoas que se envolveram no trafico,pessoas que tem problemas com vícios de drogas e bebidas,afim de cada dia evoluir seu espírito.ele viveu aproximadamente entre os anos oitenta.
Para agradar esse malandro ou fazer pedidos , você deve por uma cerveja aberta ,juntamente com um cigarro e um prato de sardinhas fritas na porta de um bar de preferência nas sextas ou segundas feiras.miguel camisa preta é um malandro muito fino que gosta de ser tratado com coisas de boa qualidade,suas véstias são camisa de linho preta e calça de linho branca, usa também chapéu de cor crua de panamá, as vezes bengala, fuma cigarro de filtro amarelo e cerveja pra ele sendo quente ou gelada tem que ser Brahma.
 
Segue aqui uma oração principalmente as pessoas que andam na noite ,que passam por lugares perigosos, e também aquelas que querem se livrar de algum vício ou inimigo que queiram te fazer mal.
 
 

ORAÇÃO AO MALANDRO MIGUEL CAMISA PRETA

 
 
Miguel Camisa Preta , boêmio das noites de seresta,
Anda comigo nessa noite e em todas as outras e também nos dias,
pois por onde passo, pode ser que haja alguém que queira algo que eu tenho,
e tudo que tenho consegui com meu esforço.
peço perdão se não sou tão bom ainda quanto devia ser,mas em sua 
companhia
espero melhorar a minha vida, diga a Ogum, seu mestre, que abra meus caminhos.
que através de você eu possa me libertar de qualquer vício,
que eu seja malandro sim para me esquivar de assaltos, de balas perdidas
e que por mais que as vezes seja necessário passar por um lugar, que você me desvie do mesmo se neste houver perigo.
que você esteja sempre ligado á mim como meu guia!
Camisa Preta amigo, me guia me auxilia!!!
amém!

 

Malandro amigo do peito!

Malandro amigo do peito sujeito de fé
tinhoso, manhoso, sabe o que quer
na terra do malmequer
margarida mexeu com seu peito uma linda mulher
e o zé que não é nenhum zé qualquer
se acendeu de paixão e saiu do chão
malandro sempre alinhado num linho do bom
uma loira gelada para dar o tom
simpatia, papo bom
na lapa reduto de bambas e sambas maneiros
José estava sempre com seus companheiros
navalha no bolso, lenço no pescoço
vivendo sem pressa, deixando a vida levar
no tempo, no laço, nos braços do vento
querendo o melhor a todos ao redor
o amor e a harmonia é o seu enredo
mulato formoso dos olhos verdinhos
da cor lá do mar
o teu sobrenome até dá pra rimar
pra quem não conhece vou apresentar
JOSÉ RIBAMAR
lá no morro ele é respeitado e no samba também
malandro do bem onde ele chegar
um rabo de saia
não pode faltar…

Previous Older Entries

Orixás e entidades da Umbanda e do Candomblé.

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Umbanda de Caboclos, Boiadeiros, Pretos Velhos, Marinheiros e todo o seu mistério

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Ciganos, suas origens e seus mistérios.

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Mestre Zé Pilintra

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Rainha Maria Padilha, Exús e Pombo Giras

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Lendas, Mistérios e Curiosidades da Religião Afro

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

%d bloggers like this: