Malandra Maria Preta

Essa é a linha dos malandros, com a coordenação de Maria Preta que representa nosso querido Zé Pilintra. Como todo mundo já sabe Zé Pilintra é Advogado, Baiano, Exú, resumindo é companheiro pra toda hora e assim também é Maria Preta.
Maria Preta não viveu numa época tão distante. Negra, moradora do Rio de Janeiro, acompanhada de uma cervejinha e um bom samba. Orgulha-se de ter sido integrante da escola de samba da Estação Primeira de Mangueira. Como boa benzedeira conhece muitos chás, ervas e rezas.
Maria Preta gosta de uma boa malandragem, ajuda a todos em qualquer ocasião. Para ela não tem tempo ruim. Não recusa trabalhos e adora ajudar os necessitados.
Anúncios

O Malandro


Zé

Quando se fala em “malandro”, na linguagem cotidiana, a primeira ideia que nos ocorre é a do boêmio, do jogador inveterado de cartas ou de dados, do amante da noite, da música e das rodas de danças, que vivia de expedientes, carregava navalha ou faca e fugia da polícia.   

O “malandro” carioca faz lembrar aquele que vivia na Lapa, que gostava de samba e passava as noites na gafieira, chegando a ser personagem de peças teatrais, de músicas e de muitas histórias. Já o “malandro” de Pernambuco vivia nas danças do coco e do xaxado, passando as noites no forró. O que eles têm em comum? Eram todos marginalizados pela sociedade, vistos como “gente à toa”. Porém, sobreviveram a esse clima adverso, vivendo sem acesso a uma boa instrução ou a bons empregos; nem sempre conseguiram, senão com muita dificuldade, dar alguma instrução aos filhos. Nem por isso perderam a alegria, o gosto pela música e pela dança, pelo carteado, pela conversa noite adentro, de alguma forma conseguindo manter suas raízes religiosas e tradições ancestrais, dando “um jeitinho” de ser felizes.  

Por trás dos arquétipos da Umbanda, vamos encontrar, no mais das vezes, a Mão da Espiritualidade Superior a corrigir grandes equívocos e injustiças sociais e a nos fazer refletir, enquanto nos auxilia nos problemas do cotidiano. E hoje temos, na presença da Linha de Malandros, uma excelente oportunidade de refletir sobre algumas questões, em especial: primeiro, que nem tudo que parece ruim de fato o é; e segundo, que de tudo se pode extrair algo de bom e de positivo. Do que poderia ter sido uma experiência de todo ruim, esses Espíritos extraíram uma lição de flexibilidade. E aquilo que para uma sociedade hipócrita parecia ser neles um mal era, muito ao contrário, a prova de valor de um povo que manteve fidelidade às suas raízes e não se deixou vencer pelo meio hostil.   

Os Malandros vêm até nós, pelas Mãos do Alto, para nos ensinar “a boa malandragem”: fazer limonada com os limões azedos que recebemos dos outros; escorregar e levantar rapidinho, sem perder a compostura e a elegância, e já sair dançando e cantando; aprender jogar “o jogo da vida” e ser um bom parceiro de jogo, aprendendo a rir das tristezas e de si mesmo; assumir ser o que se é, sem hipocrisias, e fazer todo o Bem que se possa; não se prender a padrões e valores externos, mas ficar centrado em si mesmo e na sua Fé, sem nunca desacreditar da Vida Maior, cujo amparo permeia todos os nossos caminhos diários.  

Pensar que os Malandros podem nos ensinar tudo isso brincando, de um jeito tão despojado, é o bastante para se quebrar velho ditado que dizia: ”de onde não se espera é que não sai nada”. Porque as aparências enganam!…   Então, não vamos viver de aparências e nem pelas aparências. Vamos viver a vida com Amor, Respeito e Fé.

Vamos acreditar em nosso poder interior, que é Deus em nós. Vamos aprender a nos centrar e a nos conhecer intimamente, despertando nossas capacidades e valores acumulados ao longo desta e de outras encarnações e que ainda dormem dentro de nós, mas que podem ser despertados pelo nosso querer, por nossa vontade de superar as dificuldades, por nossa firme determinação de curar nossos pensamentos menos felizes e de encontrar respostas para as nossas necessidades, para enfim chegarmos a um caminho de felicidade, aqui e agora.marketing digital

 

Malandro da Calunga


MALANDRO

São raríssimos os médiuns que trabalham com esse malandro. Eles costumam ser sérios durante seus trabalhos e gosta muito de trabalhar para ajudar os humildes e necessitados, fazendo justiça e não gosta de pessoas ambiciosas e arrogantes.

Em vida foi muito amigo das pessoas da alta sociedade, mas só se sentia feliz quando estava nos bares bebendo, onde conquistava todos os tipos de mulheres, mas não se apaixonava por nenhuma. Foi um homem de classe média e todos gostavam muito dele. Infelizmente se perdeu na bebida e nos vícios.

Se apresenta muito elegante, porém é de uma simplicidade muito grande. Morreu muito jovem, mas quando vem para trabalhar é de uma sabedoria muito grande e uma postura de quem viveu muitos anos.melhores franquias brasileiras

Malandro amigo do peito!

Malandro amigo do peito sujeito de fé
tinhoso, manhoso, sabe o que quer
na terra do malmequer
margarida mexeu com seu peito uma linda mulher
e o zé que não é nenhum zé qualquer
se acendeu de paixão e saiu do chão
malandro sempre alinhado num linho do bom
uma loira gelada para dar o tom
simpatia, papo bom
na lapa reduto de bambas e sambas maneiros
José estava sempre com seus companheiros
navalha no bolso, lenço no pescoço
vivendo sem pressa, deixando a vida levar
no tempo, no laço, nos braços do vento
querendo o melhor a todos ao redor
o amor e a harmonia é o seu enredo
mulato formoso dos olhos verdinhos
da cor lá do mar
o teu sobrenome até dá pra rimar
pra quem não conhece vou apresentar
JOSÉ RIBAMAR
lá no morro ele é respeitado e no samba também
malandro do bem onde ele chegar
um rabo de saia
não pode faltar…

Malandrinho da Estrada

Malandrinho da Estrada

Abandonado pelos pais, Malandrinho veio para o Rio de Janeiro ainda uma criança, onde conheceu uma cafetina em um cabaré da Lapa, essa mulher que sempre sofreu pelo fato de não poder ter filhos, o criou ensinando-o desde cedo
as malandragens da vida. Cresceu rodeado de mulheres, bebidas e drogas.
Amante da boa vida, acostumado a ter tudo do bom, as melhores bebidas, os melhores cigarros e claro as melhores mulheres. sempre muito galanteador tendo aos seus pés todas as mulheres que desejava.
Mais uma em especial Malandrinho se apaixonou se entregou mais nunca deixando de lado a malandragem. devido a isso, essa mulher o jurou de morte, justo a unica mulher no qual se entregou.
Durante um jogo de ronda em uma noite tranquila sob os arcos da Lapa, Malandrinho com seus 19 anos mais já considerado o rei da malandragem, rei do jogo de ronda e das mulheres, foi surpreendido. um tiro pelas costas foi o que aconteceu caiu um grande homem, “Malandrinho morreu”.

Orixás e entidades da Umbanda e do Candomblé.

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Umbanda de Caboclos, Boiadeiros, Pretos Velhos, Marinheiros e todo o seu mistério

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Ciganos, suas origens e seus mistérios.

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Mestre Zé Pilintra

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Rainha Maria Padilha, Exús e Pombo Giras

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

Lendas, Mistérios e Curiosidades da Religião Afro

O conhecimento da religião dos Orixás, mostrando lendas, curiosidades e mistérios da nossa religião.

%d bloggers like this: